Olá, leitores. Essa semana gostaria de conversar um pouco sobre literatura de não ficção!

Confira todos os post anteriores: Clique Aqui!

O panorama que foi construído ao longo de alguns anos é preocupante. O Brasil está dominado pelo discurso de lado A x B, coxinhas x petralhas e o bem contra o mal, porém, tudo isso culmina em um maniqueísmo deletério e fadado ao fracasso da nossa sanidade. Sendo assim, portanto, este texto, de forma alguma, é um embate entre literatura ficcional x não ficcional, uma não precisa ser em detrimento doutra. Na verdade, a consonância e balanceio entre elas é que fará com que nós evoluamos como leitores.

A literatura não ficcional possui muitas ramificações. Entretanto, gostaria de falar sobre três categorias que me chamam mais atenção: Biografia, Filosofia e Ciência. E, por que?

Comecemos pela Biografia!

A biografia é um gênero que me agrada muito. Vou além! Nós só conseguiremos compreender melhor a obra de algum escritor sabendo quem realmente ele foi, mesmo com a total ciência que as biografias sempre passam pelos filtros daqueles que as escrevem, com suas influências, percepções e modos de enxergar o mundo. A realidade é límpida, nenhuma fonte é 100% confiável e toda informação é enviesada.

Com esse panorama, um vídeo recente volta à tona, pois as biografias têm o condão de mudar a nossa opinião. As pessoas em geral possuem uma profunda tendencia ao refutamento da hipocrisia. Imagine comigo: um autor renomado por ter feito grandes obras baseados no amor, o sucesso é tamanho que virá clássico, referência, então ele passa a ser estudado nas escolas, nas universidades, ensaios sobre as suas obras são feitos, enfim, escritor é o cara. Então um dia ele morre e alguém deseja fazer a sua biografia e pede a sua esposa, que provavelmente foi muito amada pelo escritor apaixonado, ajuda para escrever a biografia. Porém, o que a esposa revela é que o escritor era um esnobe, sem escrúpulos, soberbo, batia nela, era tão machista e o casamento estava tão desgastado que ele botava a esposa pra dormir na sala. Sabe o que é isso? O autor que o discurso não condiz com sua obra! E é a biografia que traz à baila os acontecimentos. Entendeu o que quero dizer?

Passemos para a Filosofia!

Sem dúvida, a filosofia tem feito parte das minhas leituras semanais há um bom tempo. É o tipo de leitura que divide opiniões e que, às vezes, é vista com maus olhos. Todavia, é o gênero que nos instiga a nos questionar e aceitar as fórmulas prontas da vida e nos dá momentos prazerosos de reflexão. O que mais me fascina na filosofia é o seu poder de incomodar, causar inquietude, desassossego. Calma aí! Claro que há nesse balaio filosofia fajuta, barata, ruim. Mas onde não há? Ao cabo, gostaria de recomendar um escritor que tem algo que almejo todos os dias: didática. Estou falando de Mário Sérgio Cortella. Sua capacidade de abstração é incrível, o jeito como torna o difícil em fácil e entendível o faz um grande professor. E se quer começar em grande estilo leia “Qual é a tua obra”. Boa Leitura!

Terminemos então com a ciência!

Ahhh… A ciência pode ser vista como arrogante, orgulhosa e soberba por muitos. Mas a verdade é que a ciência busca sempre uma resposta plausível para algo que todos nós temos pavor de ter: A dúvida! E para quem é curioso como eu a leitura desse gênero é lindo de se ver. Vamos a um exemplo, pois exemplos deixam tudo melhor. Muitos de vocês, provavelmente, devem ter assistido ao filme Perdido em Marte, e se por ventura ainda não assistiram eu não sei que sentido tem a sua vida ( brincadeira ). Mas o fato é que no filme tudo é passado de uma forma fantasiosa, é como assistir desenhos animados de super heróis. Todavia, a ciência vem pra trazer um pouco de realidade pra nós, seria como descobrir que o super homem na verdade não voa e é tudo um truque que ele desenvolveu pra impressionar todo mundo, mas no caso do perdido em marte o livro é o Próxima Parada Marte ( ou Parking for Mars em inglês ), o qual conta todo treinamento sofrido e difícil de um astronauta. Portanto, a literatura não ficcional científica coloca nossos pés um pouco no chão e produzem gostosas reflexões. Acho que é isso. Espero que tenham gostado, valeu!

Gostou do conteúdo?

Comente, será um imenso prazer conversar com você!

Quer que mais pessoas saibam do assunto? Compartilhe, pois me ajudará muito!

Quer me indicar livros, elogiar, sugerir ou criticar? Envie um e-mail para contato@vidaliteraria.net

Siga-me também nas redes sociais para ficar por dentro das novidades.