Olá, leitores!

Confira todos os post anteriores: Clique Aqui!

Semana passada aconteceu mais uma edição da Black Friday, evento esse que levam pessoas a dividas, parcelamentos e, muitas vezes, adquirirem produtos que não precisam. Destarte, uma pergunta pairou e reverberou toda a semana na minha cabeça: realmente a leitura está sendo incentivada?

Pois bem, por que estou dizendo isso?

Eu, como amante do universo da leitura e literatura, acompanho dezenas de pessoas que circundam esse nicho afável e aconchegante, sejam elas pessoas que produzem conteúdos em blogs, sites, youtube, tv, escritores, artistas, enfim, tudo que possa ter algum lampejo de literatura. Fico, comumente, pensando com a minha mente acostumada com as alegorias do mágico de oz, as perversidades de julien sorel, as descrições infindas de mobydick, prospectando milhares de estantes cheias de livros, outros títulos que adoraria possuir, poder viajar todo ano para inúmeras feiras literárias no Brasil e no Exterior. No entanto, a realidade para muitos de nós está longe de ser assim, pois tudo isso demanda um custo pecuniário, quase sempre, incompatível com os que trabalham com literatura. E a blackfriday chegou! O que vemos? Vemos durante a semana inteira milhares de promoções de sites A, B, C, D sendo anunciadas em todo lugar, de todas as formas que possa imaginar, hoje, principalmente no Youtube, plataforma que detém uma capacidade de influência absurda, ou, como eles mesmo dizem: “Youtube, Novos Tempos, Novos Ídolos”. Como não comprar aquela box em promoção? Como não ficar apaixonado pelas lindas e caprichadas edições da famigerada Cosac Naif?

Por um lado eu fico muito feliz, pois só quem tem alguma ligação com livros, literatura e educação, sabe das dificuldades enfrentadas para prosseguir com os projetos voltados à literatura, neste sentido, portanto, aqueles que estão produzindo conteúdo para a internet sobre literatura estão sendo reconhecidos pelo seu trabalho bem feito e, por conseguinte, obtendo patrocínios. Nem se compara a outros conteúdos que possuem uma visibilidade e um acesso quase inimaginável, neste sentido, por conseguinte, já é um avanço considerável em vista do que aparentava outrora.

No entanto, infelizmente, os grandes varejistas não estão muito preocupados, na maioria das vezes, com o incentivo à leitura, o que querem, de fato, é vender. Quando colocarmos na conversa uma empresa que possui como investir em publicidade como a Amazon, nós observamos que em toda a internet ela está presente pra te empurrar livros, box, trilogias e etc. Vamos pensar um pouco juntos. Pare neste momento e pense se todos os livros que você possui em casa você irá ler em um curto período de tempo, contando que nós não somos a população mais assídua na leitura, certamente você tem mais livros do que precisa, as pilhas do “to be read”só aumentam, todavia, a leitura que é, de fato, importante, fica, portanto, estagnada por um longo período. E sua Wishlist? Aposto que também está abarrotada igual a minha, e mesmo sabendo que não daremos conta de ler tudo rapidamente nós somos induzidos a comprar e a possuir mais livros, parece, a principio, que nós pensamos que apreendemos o conteúdo do livro por osmose, apenas por ele estar ali paradinho na nossa estante.

Ao cabo, não quero ser um tirano e dizer que você deve fazer isso ou aquilo, aliás, você faz o que quiser com o seu dinheiro, entretanto, gostaria de deixar essa reflexão, pois, de fato, não sei estamos incentivando à leitura ou compra compulsiva.

E você, o que acha?

Comente, será um imenso prazer conversar com você!

Quer que mais pessoas saibam do assunto? Compartilhe, pois me ajudará muito!

Quer me indicar livros, elogiar, sugerir ou criticar? Envie um e-mail para contato@vidaliteraria.net

Siga-me também nas redes sociais para ficar por dentro das novidades.